Ministros do Supremo foram avisados sobre uma possível revisão da PEC da Bengala.

No último domingo (12), o presidente da República, Jair Bolsonaro, informou, em entrevista à rádio Bandeirantes, que tem a intenção de indicar o ministro Moro para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), quando esta estiver disponível. Vale lembrar que a próxima vaga no STF deve ser aberta apenas em  novembro de 2020, quando o ministro Celso de Mello completar 75 anos e, por isso, se aposentaria. No entanto, o Congresso pretende desanimar as pretenções do presidente.

Segundo informações da Folha de S.Paulo divulgadas ontem (13), parlamentares querem revisar a PEC da Bengala e colocar no texto da reforma da Previdência um acréscimo de 5 anos para a aposentadoria dos ministros.

O objetivo dos parlamentares é aumentar o tempo dos ministros ficarem no STF. Com isso, passaria de 75 para 80 anos o teto para a aposentadoria. Essa modificação está sendo rascunhada por caciques do Congresso já há algumas semanas.

As afirmações de Bolsonaro no programa de Milton Neves, da rádio Bandeirantes, de ter o plano de nomear Moro ao STF, pode ser impedida por esses políticos.

Sergio Moro conduziu a maior operação de combate à corrupção já vista no país e muitos desses políticos acabaram sendo investigados e até mesmo condenados. Essa reação deles seria uma forma de penalizar as ações do ex-magistrado.