O discurso brilhante e firme do presidente Jair Bolsonaro, durante a Assembléia Geral das Nações Unidas, nesta terça-feira (24), agradou muitos brasileiros, que manifestaram total apoio nas redes sociais às palavras do mandatário.

No entanto, houve também quem não gostasse nem um pouco das palavras de Bolsonaro, como foi o caso do Chanceler cubano, Bruno Rodríguez. Ele retrucou as denúncias do chefe de Estado brasileiro, contra Cuba.

“Rejeito veementemente as calúnias de Bolsonaro sobre Cuba e a cooperação médica internacional. Delira e tem saudade dos tempos da ditadura militar. Deveria se ocupar da corrupção em seu sistema de Justiça, governo e família. Ele lidera o aumento da desigualdade no Brasil”

Em seu discurso, Bolsonaro destacou pontos de ditaduras socialistas como a da Venezuela e a de Cuba, que perdura há mais de meio século.

“A história nos mostra que, já nos anos 60, agentes cubanos foram enviados a diversos países para colaborar com a implementação de ditaduras”, disse ainda Bolsonaro. “Há poucas décadas tentaram mudar o regime brasileiro e de outros países da América Latina. Foram derrotados! Civis e militares brasileiros foram mortos e outros tantos tiveram suas reputações destruídas, mas vencemos aquela guerra e resguardamos nossa liberdade”.