O deputado federal Otoni de Paula, ferrenho apoiador do presidente Jair Bolsonaro, nesta segunda-feira (06), apresentou um requerimento a Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Polícia Federal para que seja investigada a participação da cantora Ludmilla, no programa da Fátima Bernardes – na Globo. A solicitação pede para que se apure se a atração exibida pela ex-âncora do Jornal Nacional, “cometeu ato de apologia ao cultivo, uso e venda da maconha” ao reproduzir o funk ‘Verdinha’.

A música foi exposta pela emissora da família Marinho no dia 23 de dezembro, durante a manhã – horário em que, poucos anos atrás era exibido o programa infantil TV Globinho.

“Fato se reveste de maior gravidade por ir ao ar no período matutino com audiência de milhões de pessoas. Pelo horário, deduz-se que, dentre os telespectadores estejam considerável número de menores”.

Além disso, o parlamentar ainda alegou que o funk Verdinha representa uma explícita alusão ao cultivo, comercialização e uso da planta maconha.

“Faz explícita referência ao plantio, uso e comercialização da maconha” e ressaltou que no horário entre 7h e 20h “a programação é livre, permitida para todas as idades até os menores de 10 anos”. Ele também disse que “cenas impróprias ostentam o selo da classificação correspondente”. diz o deputado

Ademais, o deputado ressaltou que a apresentadora Fátima Bernardes exagerou nos limites da liberdade de grande mídia, além da confiança deposita por responsáveis de menores de idade em venerar o “conteúdo inapropriado” do funk Verdinha.

Mais sobre a polêmica

Além do deputado Otoni de Paula, outro parlamentar também não gostou nem um pouco da apresentação da música no programa da Globo. Marco Feliciano, através das suas redes sociais, demonstrou revolta e indignação com a situação, e afirmou que irá pedir a cassação do registro de concessão da empresa.

“Protocolarei denúncia no Ministério da Justiça e no Ministério da Ciência e Tecnologia [para] cassar a concessão da Globo já” escreveu ele em seu perfil no Twitter