Na cidade de Nova Marilândia (270 km de Cuiabá), no dia 26/11/2019, uma criança de apenas 3 anos, identificado como Davi Gustavo Marques de Souza, foi brutalmente torturada e assassinada por um casal de lésbicas. Uma das autoras do crime bárbaro é Luana Marques Fernandes, de 25 anos, mãe da vítima. A outra participante do delito é Fabíola Pinheiro Bracelar, 22 anos, companheira de Luana. 

  Segundo a Polícia, a criança era vítima constante de maus tratos pelo casal. Inclusive o pai, Gustavo de Souza, registrou um boletim de ocorrência em julho de 2019, denunciando a mãe do menino, depois que buscar o filho e notar que ele estava com várias marcas de mordidas e ferimentos pelo corpo.

Davi Gustavo Marques de Souza, de apenas 3 anos de idade.

       A história se repetindo

  A Polícia Civil de Mauá procura Bruna Cristina Leite Silva, de 22 anos, mãe de Pedro Henrick Leite dos Santos, de 3 anos, que morreu após ser agredido sábado à noite (01/02). A namorada da mãe do garoto também é alvo de investigação por suposto maus-tratos à criança.

 O garoto morreu no Hospital Mário Covas, mas primeiramente ele tinha sido levado à UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) Vila Magini, após engasgar com um pedaço, mas uma equipe médica constatou que a criança tinha hematomas nos braços e um corte no queixo. Diante do fato, levantando a suspeita de que o garoto estava sendo vítima de maus tratos.

Pedro Henrick Leite dos Santos, de 3 anos de idade.

 Apesar do silêncio de parte da imprensa, o caso tomou repercussão nacional. O próprio Presidente Bolsonaro fez questão de compartilhar um vídeo do apresentador Sikêra Jr comentando o assunto. 

  Na publicação, Sikêra fala aquilo que anda engasgado em muitos brasileiro de bem: o silêncio da GRANDE MÍDIA em crimes envolvendo LGBTs. E para mais, a tentativa de alguns grupos esquerdistas em silenciar as pessoas que discordam taxando-os de homofóbicos. 

       O fato se repetindo novamente

  No dia 29/01/2020, um outro casal de lésbicas foi preso por matar familiares carbonizados. O crime aconteceu na cidade de São Bernardo do Campo, em São Paulo. Uma das acusadas era filha e irmã das vítimas. O nome dela é Ana Flávia Menezes Gonçalves e sua companheira se chama Carina Ramos. O caso comoveu o Brasil, mas novamente, a imprensa nacional não deu muita atenção. 

Foto das vítimas

         O pequeno Rhuan

  No início do mês de Junho de 2019, o Brasil se deparou com uma notícia chocante. Uma criança de 9 anos, de nome Rhuan Maicon da Silva Castro, foi brutalmente assassinada e esquartejada por um casal de lésbicas. O caso ocorreu em 31 de Maio, em Brasília-DF, e veio à tona  poucos dias depois.

  A criança era filho de uma das criminosas, de nome Rosana Auri da Silva Candido. A outra criminosa se chama Kacyla Pryscila Santiago Damasceno.

  Segundo investigações comandadas pelo Delegado e responsável do caso, Guilherme Souza Mello, o garoto Rhuan teve o pênis dele arrancado um ano antes de ser assassinado, em um procedimento que teria sido feito em casa pelas duas meliantes.

 

Foto do pequeno Rhuan