Luiz Philippe de Orléans e Bragança, príncipe herdeiro da família real brasileira e eleito deputado federal nas últimas eleições, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, opinou acerca da próximas manifestações marcadas para o dia 15, e também sobre a pressão que Bolsonaro estaria sofrendo do Congresso Nacional.

Ele disse:

“Está havendo uma mobilização no Congresso de partidos, deputados e senadores, que bolaram uma estratégia para enquadrar um possível pedido de impeachment num modelo sequencial. Você primeiro aprova gastos e uma série de despesas no Orçamento, depois priva o Executivo de utilizar parte desse Orçamento. O governo então tem que pedir recursos para o Congresso, que obviamente vai negar. E aí o governo cai na Lei de Responsabilidade Fiscal, porque violou o próprio Orçamento.”

E disse também que a articulação do Congresso para retirar dinheiro do Governo pode ser uma forma de enquadrar o governo.

“O Congresso surrupiou R$ 30 bilhões e removeu das contas do Executivo, que já estavam comprometidos com um volume de gastos. Não é um golpe ainda, mas uma tentativa de enquadrar o Executivo numa sinuca.”

Indagado sobre sua opinião sobre as manifestações previstas para o dia 15 de março, o príncipe afirmou:

“O mais importante é a população se colocar contra o Congresso, em vez de a favor do governo. Você tem vários deputados, nenhum com soma de votos suficiente para chegar nem perto do volume de votos do presidente. Mas através do jogo do Congresso, conseguem concentrar poder de uma maneira não muito transparente e que não está em linha com o que a vontade do público, que deu 57 milhões de votos para que o Executivo execute. Os deputados começam a jogar um jogo de desarmar o Poder Executivo de maneira sistemática.”